03/01/2006

Presidente da FGERJ em entrevista ao site de CBG


O presidente da Federação de Golfe do Estado do Rio de Janeiro, George Berliner (foto), fala da importância do I Congresso Brasileiro de Golfe e da participação da federação carioca no evento em entrevista ao site da CBG. Confira:

CBG – Qual a importância do Congresso para a FGERJ?
George – A corajosa iniciativa da atual diretoria da CBG na criação do I Congresso Internacional de Golfe do Brasil, vale pela sua magnitude e dimensão. Se o Brasil quer lugar de destaque no golfe mundial, tem que pensar grande e agir grande, e sei que este é o pensamento do presidente Álvaro Almeida, que já tem feito muito pelo golfe brasileiro. A maior importância deste congresso é para os clubes filiados, que devem prestigiar o evento através da sua divulgação e mandando delegados representantes para não só para defenderem as colocações e necessidades dos seus clubes, mas engrandecer seus conhecimentos de golfe nas palestras, debates e troca de informações com dirigentes/golfistas de outros clubes e federações. O Fórum é o ideal para as diretorias, conselhos e superintendentes dos clubes. Ressalto ainda a importância dos congressistas individuais (golfistas em geral) que também muito contribuirão e assimilarão no Congresso e das diversas empresas sediadas no Rio de Janeiro e de alguma forma com interesse no golfe (hotéis, lojas de materiais, campos públicos, driving ranges, importadores de equipamentos, prestadores de serviço, etc.)

CBG – Quais os principais pontos a serem discutidos no Congresso?
George – É difícil elencar os pontos mais importantes. A relação dos assuntos constantes nos Painéis e Grupos de Trabalho (disponíveis no site da CBG http://www.cbg.com.br/congresso ) é bem abrangente e cada delegado deverá eleger os assuntos do seu interesse ou do seu clube. Os temas foram muito bem escolhidos. São 25 temas distribuídos em quatro grandes sub-eventos do congresso: Grupos de Trabalho, Painéis, Palestras e Seminário Técnico. Para não deixar de responder destacarei um para cada subevento: “As entidades do golfe brasileiro e sua relação com os golfistas”, “Marketing no golfe”, “A experiência das escolas espanhola de golfe” e “Implantação e manutenção de campos de golfe: custos envolvidos”.

CBG – A FGERJ já tem alguma proposta de mudança que será apresentada no Congresso?
George – A FGERJ tem diversas propostas que serão apresentadas no Congresso, não diria de mudanças mas de evolução do golfe brasileiro ao nosso ver.

CBG – Quais os pontos que serão discutidos na palestra do dia 7 de janeiro?
George – Será uma palestra, na mesma formatação do Congresso, realizada por Christiane Teixeira (CBG) e Luiz Moreira (FGERJ) sobre todos os aspectos do evento sendo depois aberto o debate com os quatro representantes de cada clube do Rio de Janeiro, seguido de almoço e a partir das 14h o 1º Torneio dos Presidentes do Estado do Rio de Janeiro.

Finalizando voltarei à sua pergunta dos pontos mais importantes do Congresso, será o próprio evento. Tenho certeza quanto ao sucesso e o reflexo será a demanda dos trabalhos e as consequentes ações, que deverão ser implementadas através da estrutura institucional do golfe brasileiro (clubes, associações, federações e confederação). Vislumbro uma necessidade de evolução da relação e escopo de atuação dessas entidades, eliminando-se redundâncias, criando-se regras e políticas a partir dessas demandas e atingindo uma maior sinergia para o desenvolvimento do nosso esporte.

FGERJ prepara palestra de apresentação do I Congresso Brasileiro de Golfe.

A Federação de Golfe do Rio de Janeiro realiza no dia 7 de janeiro, no Itanhangá Golf Club, palestra de apresentação do I Congresso Internacional de Golfe do Brasil, que acontece entre os dias 8 e 12 de março na cidade de Foz do Iguaçu (PR).

A apresentação contará com a presença de Christiane Teixeira (vice-presidente de Desenvolvimento da CBG); Luiz Moreira (diretor técnico da Federação de Golfe do Rio de Janeiro), George Berliner (presidente da FGERJ), e mais três representantes de cada Clube filiado do Rio de Janeiro.

Após a palestra será servido um almoço e, em seguida, os participantes serão convidados a participar de um torneio. A competição será Laguneada Best Ball Net terá 18 buracos e as equipes sorteadas serão formadas por um presidente e três golfistas.

Programação:
10:00h – Chegada ao IGC
10:30h – Palestra sobre o Congresso Brasileiro de Golfe com a FGERJ e CBG
12:30h – Almoço
14:30h – Torneio dos Presidentes do Estado do RJ