26/05/2010

HSBC LPGA BRASIL CUP REÚNE GOLFISTAS MILIONÁRIAS NO RIO


O HSBC LPGA Brasil Cup 2010, que será disputado neste sábado e domingo, no Itanhangá Golf Club, no Rio de Janeiro, reúne 27 das melhores jogadoras de golfe da atualidade, vindas de 11 países. O torneio faz parte do LPGA Tour (Ladies Professional Golf Association Tour, ou Associação Feminina das Profissionais de Golfe), principal circuito de golfe feminino do mundo.

Se somados os prêmios recebidos por todas as participantes na carreira, chega-se à cifra de US$ 45 milhões. Neste final de semana estará em jogo uma premiação de US$ 700 mil, a maior do golfe sul-americano. A organização do evento calcula que a competição movimentará cerca de R$ 5 milhões, entre custos, investimentos e geração de valor para a economia do Rio.

A golfista mais rica presente em campo é a escocesa Catriona Matthew, que soma US$ 6,1 milhões – é a 19ª jogadora que mais dinheiro ganhou na carreira na história do LPGA Tour. Catriona venceu o HSBC LPGA Brasil Cup 2009 e foi também campeã do Women´s British Open do ano passado, um dos torneios do Grand Slam do golfe feminino mundial. A americana Angela Stanford (US$ 5,1 milhões na carreira) é outro destaque: ela ocupa a 7ª posição no Money List 2010 (que lista as jogadoras do LPGA Tour que mais prêmios ganharam na temporada) e a 9ª posição no ranking mundial do golfe profissional feminino.

A paranaense Angela Park, 21 anos, também está no time das milionárias. Vice-campeã do Women´s US Open de 2007 e terceira colocada em 2008, ela soma US$ 2,1 milhões na carreira e está em 88º lugar no ranking mundial. É a esportista brasileira que mais ganhou dinheiro até hoje. Angela busca sua primeira vitória no País – em 2009, ela terminou em terceiro lugar no HSBC LPGA Brasil Cup. O Brasil está representado também por Priscila Iida, que disputa o circuito profissional japonês, e Mariana de Biase, jogadora amadora.

A competição do LPGA Tour no Brasil é reflexo do ótimo momento vivido pelo golfe brasileiro, que está em franco crescimento. Há 10 anos, segundo a Confederação Brasileira de Golfe, havia 7 mil golfistas no país e 80 campos. Atualmente são 25 mil golfistas e 110 campos, sendo que há outros 30 projetos de campos em andamento. É esperado um crescimento ainda maior do golfe nacional, pois o país será sede, em 2016, do retorno do esporte aos Jogos Olímpicos, após 112 anos de ausência.

“O HSBC LPGA Brasil Cup 2010 é uma vitrine espetacular para o golfe brasileiro. O crescimento do torneio, com uma premiação mais significativa e com um maior número de jogadoras este ano, é prova de que o golfe está em constante evolução no Brasil. A volta do golfe às Olimpíadas tem gerado uma divulgação maior do esporte e um aumento no número de praticantes e fãs”, diz Rachid Orra, presidente da Confederação Brasileira de Golfe.

O diretor do torneio, Enio Ribeiro, da Brasil1 Esporte, reafirma este cenário. “O HSBC LPGA Brasil Cup deverá crescer nos próximos dois anos. Nosso objetivo é aumentar a premiação e abrir maior número de vagas para as jogadoras do LPGA. O campeonato faz parte de um projeto para tornar o golfe um esporte de relevância no País visando a Olimpíada Rio-2016”, afirmou.

Treinos, FlaxFlu e plantação de mudas de árvores – O HSBC LPGA Brasil Cup será disputado em 36 buracos, 18 cada dia. Na sexta-feira, antecedendo a chave principal, acontece o Pro-AM, a partir das 11 horas, que reunirá jogadoras, convidados e celebridades. O público terá acesso gratuito aos dois dias de competição, entre 9 e 15 horas, mediante apresentação de documento de identidade na entrada do clube.

As 27 jogadoras já estão no Rio e aproveitaram a quarta-feira para treinar no campo do Itanhangá. Nove golfistas, entre elas Angela Park, terão um programa especial nesta noite. Irão ao Maracanã assistir ao Fla x Flu. Nesta quinta-feira, Dia Nacional da Mata Atlântica, as jogadoras plantarão mudas de palmito de Jussara no Itanhangá, às 11 horas. E também aproveitarão o dia para novos treinos.

Desafio na praia – Angela Park em parceria com Cristian Barcelos, do Projeto Japeri, venceram nesta quarta-feira o Desafio de Golfe na Praia, uma ação social realizada na Barra da Tijuca, bem próximo à barraca do Pepê. Com a vitória, a instituição Cruzada do Menor Creche Tio Beto ganhou um cheque de R$ 6 mil do Instituto HSBC. Mariana de Biase e Breno Domingues, também do Japeri, ficaram em segundo lugar, seguidos da argentina Maria Laura Elvira e Diele Cardoso, do Banana Golfe, e de Catriona Matthew e Gabriel Paixão, também do Banana.

O Desafio de Golfe na Praia consistiu em reunir os quatro times, cada um representando uma entidade filantrópica apoiada pelo Instituto HSBC. Cada jogadora e garoto de, no máximo 15 anos, bateram três bolas na direção do buraco, que estava a 50 jardas (cerca de 45 metros). A bola mais perto do buraco, num green de grama artificial, foi medida. Os resultados foram obtidos pela soma do desempenho das duplas.

No caso da dupla campeã, Angela Park acertou uma vez o green, enquanto Cristian Barcelos, de 15 anos, colocou duas vezes a bolinha na grama sintética. “Foi uma mistura de treino e sorte”, admitiu Cristian, que joga golfe há três anos junto com outras 100 crianças no Projeto Japeri. “Sonho em ser jogador profissional e foi muito bom estar perto de golfistas tão famosas”, completou o juvenil, que já fez um estágio de treinamento nos Estados Unidos, e disputou na semana passada uma etapa do Tour Nacional de sua categoria, em Curitiba (PR).

Angela ficou feliz com a vitória e elogiou o parceiro. “Ele foi muito bem e mostrou potencial”, disse a paranaense de 21 anos, que começou a jogar com 9 anos. “Claro que quero ir bem no torneio, mas estou no Brasil também para relaxar, para ver meus familiares e aproveitar momentos como esta ação social importante.”

A carioca Mariana de Biase também não escondeu a sua alegria com o Desafio de Golfe na Praia. “Essas crianças treinam duro e certamente muitas vão se transformar em jogadores. Sou fã declarada dessa garotada e do trabalho social que é feito com elas”, disse a campeã brasileira amadora, de 26 anos, que foi convidada pela Confederação Brasileira de Golfe para disputar o HSBC LPGA Brasil Cup 2010.

Profissional do mercado financeiro, ela trabalha há três anos na gestão patrimonial. “Fiz uma escolha há algum tempo e agora jogo golfe por diversão. Meus amigos brincam comigo porque sou amadora e não tenho direito a prêmios em dinheiro”, lembrou. No torneio deste final de semana, a 27ª e última colocada ganhará um cheque de mais de US$ 8.200 (a campeã levará US$ 105 mil).

As outras três entidades filantrópicas também receberam cheques do Instituto HSBC, nos valores de R$ 5 mil, R$ 3 mil e R$ 2 mil para as equipes que ficaram da primeira à quarta colocações. As outras entidades foram: Projeto Japeri, Instituto Construindo Amor Fazendo Esperança e Companhia Teatral Catarse – Espaço Cultural Camarim das Artes.

Outra atração do evento foi o ator global Rodrigo Lombardi que joga golfe há seis meses. Ele também bateu três tacadas para tentar atingir o green e fez sucesso entre o público presente. Tirou fotos com todas as jogadoras e com a garotada dos projetos sociais.

O HSBC LPGA Brasil Cup tem o patrocínio de HSBC, Light, Autodesk e Governo do Estado através da Secretaria de Turismo, Esporte e Lazer do Rio de Janeiro. O apoio é da Prefeitura do Rio de Janeiro, da Confederação Brasileira de Golfe, da Federação de Golfe do Estado do Rio de Janeiro e da TAM Viagens. O evento conta com recursos da Lei Federal de Incentivo ao Esporte. A realização é da Brasil1 Esporte.