21/10/2005

Golfe na Veja


A jornalista Sandra Brasil publicou na coluna de esportes na Veja desta semana a matéria “Campo dos Sonhos”. O texto fala sobre o cenário atual do golfe no País. É um passo para o crescimento do golfe brasileiro, pois mostra com bastante clareza a evolução que o esporte vem conquistando no País nos últimos 10 anos.

A FGERJ parabeniza a jornalista Sandra Brasil pelo excelente incentivo ao Golfe brasileiro. Agradecemos o apoio dado na matéria publicada em uma grande revista, com repercussão nacional.

Confira a matéria:

Quando o arquiteto americano Dan Blankenship trocou os Estados Unidos pelo Brasil, em 1994, sua especialidade – projetar campos de golfe – era quase urna atividade eso­térica. Golfe, conforme a imagem propa­lada por incontáveis filmes era coisa de americano de caricatura: taco à mão, charuto na boca, calça em variações ber­rantes de xadrez e negócios milionários jorrando entre urna jogada e outra. Aqui, somente 3 700 pessoas se arriscavam no esporte elitizadíssino. Desde então não se pode dizer exatamente que o golfe vi­rou esporte popular, mas o número de praticantes tem aumentando sem parar – calcula-se que está em torno de 25 000. A quantidade de campos – e aqui voltamos a Blankenship – acompa­nha o crescimento: são hoje 105, concen­trados principalmente nos estados de São Paulo (46) e Paraná (treze) e outros 35 estão em fase de construção. “Cheguei na hora certa. Percebi que o Brasil era um mercado com grande potencial de crescimento e resolvi ficar”, diz o arqui­teto de 44 anos que assina o projeto de nove campos de golfe no Brasil dois de­les ainda em obras.

No topo de seu portfólio, reunindo qualidades raras pela beleza deslum­brante da paisagem e pelo capricho na realização, está o campo que faz parte de um complexo turístico na região de Trancoso, na Bahia inaugurado em maio do ano passado, o campo de mais de 9 milhões de reais foi construído numa área de 700 000 metros quadrados – 200 000 a mais que o típico campo oficial de dezoito buracos. Até golfistas calejados, acostumados aos encantos de campos em vários continentes, se des mancham em elogios. Nos primeiros no­ve buracos, os jogadores têm por moldu­ra árvores e animais da Mata Atlântica. Na segunda e última volta, fincada sobre falésias, o campo dá vista para o mar – é difícil que o jogador não se descon­centre pelo menos por alguns segundos na altura do buraco 14. bem na ponta do penhasco. “Já joguei em mais de 500 campos e nunca vi nada tão bonito”, dis­se recentemente o jornalista americano Alex Shoumatoff, colaborador da revis­ta Vanity Fair e golfista fanático. “Tive toda a liberdade para criar. E o projeto mais fascinante da minha carreira”, diz Blankenship que, de tão entusiasmado, fixou residência em Trancoso. “Quando não estou trabalhando, jogo.”

Um sinal de que o golfe está se tor­nando atividade de prestígio fora do universo exclusivo dos campos particulares é que o putting green – a área onde se treina a tacada antes enfrentar o campo propriamente – vi­rou atrativo de em­preendimentos imobi­liários de alto padrão. “Esse é o novo apelo de venda para apartamen­tos a partir de 800 000 reais em São Paulo”, diz Romeu Busarello, diretor de marketing da construtora Tecnisa, que prepara o lançamento de seu primeiro prédio com espaço para golfe e planeja outros dois para 2006. Condo­mínios de luxo, que antes alardeavam la­gos para andar de lancha e jet ski ou ca­valariças para os fãs de esportes hípicos, agora conquistam clientes oferecendo campos de golfe: quase todos os terrenos (cerca de 400 000 reais cada um) de um empreendimento em Vinhedo, a 80 qui­lômetros de São Paulo. já foram vendidos. Projetado por Brian Costello, outro arquiteto americano, só o campo vai custar quase 10 milhões de reais. No comen­tado condomínio que o carrasco de aprendizes Donald Trump se prepara pa­ra lançar em Itatiba, no interior de São Paulo, aproximadamente 30 milhões de dólares serão aplicados na infra-estrutura relacionada ao campo de golfe.

“Estima-se que o segmento já movimente no Brasil cerca de 500 milhões de reais por ano”, diz o publicitário Álvaro Almeida, presidente da Confederação Brasileira de Golfe (CBG). Diretor co­mercial da revista Caras, muito bem re­lacionado, Almeida é apontado como o grande responsável pelo aumento da di­vulgação do esporte no país, desde que, há cinco anos, pôs em prática a estratégia de convidar celebridades para dar taca­das, ainda que canhestras, em torneios, Ronaldo e o piloto Rubens Barrichello são exemplos que acabaram fisgados. Barrichello joga duas vezes por semana, religiosamente, inclusive durante a tem­porada de automobilismo. “Quando pa­rar de correr, quero ser um bom golfista amador”, diz o piloto, que ostenta handi­cap 13 – o que, para quem não sabe (e quem sabe?), é muito bom. Pelo sistema de pontuação usado para equilibrar praticantes de diferentes níveis, ao fim do jogo nove academias ao fim do jogo (cujo de golfe em objetivo, diga-se, é São Paulo fazer todos os buracos com o menor número possível de ta­cadas), cada jogador abate do total de tacadas que deu o seu handicap. Inician­tes partem do handicap 40 e vão baixan­do conforme se aprimoram.

Esporte dispendioso, que exige equi­pamento caro e acesso a clubes restritos, o golfe deu um pequeno passo rumo à de­mocratização com a inauguração, em 2000. do primeiro campo público de São Paulo, o FPG Golf Center. Lá o jogador não precisa ficar sócio nem pagar mensa­lidade – uma taxa de no máximo 45reais dá acesso às instalações. A título de comparação, associar-se ao São Paulo Golf Club, o mais tradicional clube do gê­nero da cidade, requer o de­sembolso de mais de 120 000 reais pelo título e 750 reais de mensalidade. Além do campo de nove buracos, o FP Golf Center, freqüentado por 2 500 pessoas por mês, foi pioneiro em oferecer aulas ao público em geral. Criança aprende de graça, e adultos pagam 50 reais por meia hora. Foi Iá que o empresário Adriano Facchini, tenista aposentado compulsoriamente por motivo de saúde, começou no esporte, há cinco anos. “O golfe é menos agressivo. Antes de conhecer, eu dizia que era jogo de velho. Agora, adoro”, conta Facchini, que treina duas vezes por semana – sá­bados e domingos não, “a pedido de mi­nha mulher”, a atriz Luiza Tomé – no driving range, uma plataforma com vá-rios boxes onde os jogadores aprimoram suas tacadas.

No país da ginga e da malemolência do celebrado futebol-arte, o golfe é esporte cerebral: o praticante precisa desen­volver disciplina mental e gosto pela repetição obsessiva para aprimorar as taca­das. Honestidade faz parte do jogo. Como não há juiz nem fiscal, seguir as re­gras é fundamental. Uma etiqueta toda própria determina as roupas e o código de conduta em campo. “O jo­gador não pode mentir para seus adversá­rios na hora de informar quantas tacadas teve de dar para embocar a bola, por exemplo”, diz Álvaro Almeida. “Quem for pego mentindo fica estigmatizado”, informa Priscillo Diniz, 56 anos, jogador profissional que atualmente ensina na academia Onne Unigolf, a nona de São Paulo, inaugurada há três semanas. O jo­go não requer do praticante nem força nem músculos em forma. Havendo carri­nho disponível, nem sequer demanda preparo para a caminhada de 6 quilômetros. Também não discrimina por faixa etária – um senhor de 80 anos pode disputar a mesma partida com um rapaz de 20. Paciência é o requisito básico. O psicólogo esportivo Esmerino Rodrigues Júnior fez as contas e avisa: “Dos 270 minutos que dura, em média, uma partida, o golfista gasta apenas oitenta efetivamente dando tacadas. Ele não pode permitir que a an­siedade domine os outros 190”.

Fonte: Site da CBG