05/07/2006

Entrevista com Eng. Agrônoma Maristela Kuhn


Ela é engenheira agrônoma, já fez estágio na Alemanha, mestrado em gramíneas e vários cursos de especialização nos Estados Unidos. Este é apenas um breve panorama do currículo de Maristela Kuhn, uma de nossas convidadas para o Primeiro Seminário de Agronomia promovido pela FGERJ. É para falar um pouco sobre sua vida profissional e sobre o seminário, que ela nos concedeu esta entrevista.

FGERJ – Conte um pouco como você começou a se interessar por essa profissão e por que o foco para essa área ?
Maristela Kuhn – Fiz estágio na Alemanha em 1989 e tive meu primeiro contato com alunos da faculdade de agronomia que trabalhavam em campos de golfe. Ao retornar ao Brasil e terminar a faculdade, fiz mestrado em gramíneas com foco em esportes, na Univ. Federal do RS, além de vários cursos de especialização nos Estados Unidos, onde ainda faço uma vez ao ano, pois é lá que surge toda a informação, que está sempre mudando.

FGERJ – Quais serão os principais temas que irá focar no Seminário ?
Maristela Kuhn – Princípios básicos de manutenção do campo de golfe, pois é o primeiro seminário deste tipo, promovido pela Federação. Escolhemos os temas mais simples, porém muito importantes, por exemplo, como fertilizar, como controlar pragas, moléstias, insetos, quais as espécies usadas no campo.

FGERJ – O que você pretende mostrar para o público de mais interessante ?
Maristela Kuhn – Que o golfe está crescendo no Brasil e precisamos melhorar a qualidade dos nossos campos, isto passa pela capacitação técnica e treinamento dos funcionários. Temos um clima muito propício para termos excelentes campos.

FGERJ – Qual sua relação com o golfe e com esse público ?
Maristela Kuhn – Sou engenheira agrônoma especializada em campos esportivos e trabalho com consultoria na construção de campos de golfe e manutenção, atuo neste mercado desde 1993, em SP e Estados do Sul.

FGERJ – O que você espera desse I Seminário de Agronomia ?
Maristela Kuhn – Plantar uma “semente”, para juntos melhorarmos o golfe e ajudar a desenvolver este mercado emergente.

FGERJ – O que você achou da iniciativa da FGERJ, de fazer esse I Seminário de Agronomia?
Maristela Kuhn – Em termos de RJ é uma iniciativa pioneira e necessária, já que ainda não foi feito nada parecido no Estado, somente em SP. Espero que este seminário seja apenas o primeiro de muitos, pois o golfe precisa disto.

Para obter mais informações sobre o I Seminário de Agronomia da FGERJ, CLIQUE AQUI.